quinta-feira, 30 de julho de 2009

Botox contra a Depressão e Cancro

Quando foi descoberto pela primeira vez em 1870, era conhecido como toxina botulínica ,um veneno para a saude humana frequentemente encontrado em carnes .
E hoje ? Tambem será considerado um veneno?
Pois bem , hoje em dia o seu nome comercial é chamado de Botox , e é um sinónimo de beleza feminina e masculina ,livre de rugas de expressão , e com um rejuvenescimento garantido . Além de para fins estéticos, o Botox tambem tem sido usado para tratar enxaquecas e para diminuir a transpiração excessiva. Também ajuda aqueles que sofrem de síndrome da bexiga e dores e transtornos Mandibulares mais Comuns (ATM) . Para além destes tratamentos o Botox juntou um outro recurso á sua lista de utilizações em 2006 .

Botox para Depressão

Em um artigo publicado pela primeira vez em maio de 2006 com emissão Oficial da Cirurgia Dermatológica, o Dr. Eric Finzi apresentou evidências de um estudo clínico no qual as injeções de Botox foram utilizadas para tratar clinicamente pacientes deprimidos . Finzi revelou que dos 10 pacientes que ele tratou, recuperarão em nove dias dos seus estados depressivos.

Testando uma teoria Dr. Finzi injetou os súditos com Botox entre as sobrancelhas. Eles hipotetizaram que existe uma reacção directa entre os músculos faciais e a depressão central do cérebro. Ao eliminar a capacidade de expressão nesta area , ele defendeu que o cérebro deixariam de receber o conceito de Depressão . Após a publicação das suas conclusões, Finzi continuou as suas pesquisas e atualizou o seu estudo em 15 pacientes.

Botox contra o Cancro

Alguns cientistas Bélgas também já começaram a pesquisar sobre como o Botox em injecções pode ajudar na luta contra o cancro. Injectaram Botox em ratos com tumores , os cientistas manipularam os vasos sanguíneos que alimentam o cancro para abrir e permitir um mais eficaz tratamento quimioterapeutico. Embora as investigações tenham sido feitas , os médicos especialistas alertam que ainda não existem dados suficientes sobre esta investigação e terapia para formar uma opinião conclusiva.

Sem comentários:

Enviar um comentário